Jornalista busca boas práticas de educação

Jornalista busca boas práticas de educação

Largar tudo e viajar. Esse é o sonho de grande parte das pessoas que trabalha em escritórios, mas são poucos que conseguem realizá-lo. Fazê-lo com um intuito maior do que o turismo é algo ainda mais raro. E foi neste panorama que o jornalista recém-formado pela Faculdade Cásper Líbero, Caio Dib, de 22 anos, deixou seu emprego e partiu para uma viagem pelo Brasil na qual passou a ter contato com diversas comunidades e seus projetos educacionais – das tradicionais escolas a modelos inovadores. Saindo de São Paulo, ele já passou pelas regiões Norte e Nordeste e ainda cumprirá o final do roteiro em parte do Sudeste.

«Queria sair do escritório para conhecer outras realidades. A maioria das pessoas e das empresas não conhece a realidade do próprio país. Pedi demissão para conhecer mais o Brasil e crescer tanto como pessoa quanto como profissional. A ideia de visitar as boas propostas educacionais surgiu junto com a vontade de conhecer as outras realidades. Para entendermos a realidade, precisamos conhecer a educação. Para entendermos a educação, precisamos entender a realidade do lugar.», afirma Dib.

Na busca pelas boas práticas de educação, o jornalista completou na última segunda-feira (3) a visita à 40ª cidade em pouco mais de 60 dias de viagem. O mapeamento, que vai virar livro em seu retorno a São Paulo, aponta problemas recorrentes e conhecidos por todos, como a falta de estrutura de diversas escolas, além da falta de preparação de alguns profissionais. Mas existem também as boas iniciativas, na maioria das vezes vindas de pessoas interessadas em educação.

«Uma iniciativa bem legal foi em uma escola no interior do Ceará que tinha uma metodologia de estudo em grupo. Os estudantes aprendiam em conjunto e o professor era realmente só um facilitador. Essa foi uma das mais impressionantes. Outra fantástica foi um projeto de uma garota de 18 anos que trabalha direitos humanos a partir de oficinas de comunicação e educação nas periferias de Salvador, chamada Desabafo Social», aponta ele.

Com a maioria dos percursos feitos de ônibus, método mais eficaz para ficar próximo às realidades locais e que o faz conhecer melhor as regiões pelas quais passa, Dib encontrou o ponto no qual educação e condição social mostram caminhar extremamente juntas. Para ele, iniciativas do governo são essenciais no aspecto de melhorar a educação do Brasil, apesar de serem pouco notadas.

«Acredito que a educação sempre se mistura com a realidade dos estudantes. A educação pode abrir muitas portas nas comunidades mais carentes, tanto a partir da criação de projetos que melhorem a comunidade quanto possibilitando que estas crianças e jovens ampliem seus conhecimentos, consigam ingressar na universidade e melhorar as condições sócio-econômicas, diminuindo a desigualdade social», explica Dib, que completa: «As ações do governo podem viabilizar sim a melhora da educação e a frequência das crianças. Por exemplo, os programas de transporte escolar possibilitam que muitas crianças que moram muito longe das escolas frequentem as aulas».

Todo o trajeto e os detalhes da viagem feita pelo jornalista podem ser encontrados no blog que ele mantém exclusivamente com informações do projeto, o CaindoNoBrasil, que também tem página no Facebook.    Fonte

EDUCAÇÃO – sites no brasil

EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR NO BRASIL

Dilma irá propor uso dos royalties na educação – sites no brasil

EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO BRASIL

REVISTAS DE EDUCAÇÃO NO BRASIL

Comente este artigo :

Tags: