Popularidade de Dilma volta a desabar

Popularidade de Dilma volta a desabar

As manifestações populares que tomaram as ruas em todo o país continuam cobrando seu preço do governo da presidente Dilma Rousseff, com forte queda de popularidade e um caminho bem mais complicado para a reeleição, mostrou pesquisa CNT/MDA divulgada nesta terça-feira.

Segundo o levantamento do instituto MDA encomendado pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), 31,3 por cento dos entrevistados fizeram uma avaliação positiva do governo neste mês, ante 54,2 por cento em junho.

Já 38,7 por cento veem o governo como regular, ante 35,6 por cento no mês passado. A avaliação negativa mais do que triplicou, passando a 29,5 por cento, ante 9 por cento. A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos percentuais.

A aprovação do desempenho pessoal de Dilma desabou para 49,3 por cento neste mês, ante os 73,7 por cento registrados em junho. Já a taxa dos que desaprovam o desempenho da presidente pulou para 47,3 por cento, em comparação aos 20,4 por cento anteriores.

No mês passado, manifestantes tomaram as ruas do país para reivindicar melhores serviços públicos e combate à corrupção, entre outras demandas. As manifestações foram aprovadas por 84,3 por cento dos entrevistados, segundo a pesquisa CNT/MDA.

“Estão muito ligados os protestos a questões específicas e a resultados que as pessoas querem”, disse o presidente da CNT, senador Clésio Andrade (PMDB-MG), para argumentar que uma recuperação dos níveis anteriores de popularidade é “muito difícil”.

Para Andrade, a resolução dos problemas como transporte público, saúde e educação demandam bilhões de reais em investimentos e os resultados demoram muitos anos para aparecer. Por isso, uma recuperação da popularidade nos níveis do começo do ano dificilmente ocorrerá.

“Se as manifestações continuarem e as manifestações derem a entender que são os políticos e que a presidenta é a principal responsável, na minha opinião, não vai voltar ao seu patamar normal (de aprovação)”, analisou.

Segundo o levantamento, 49,7 por cento argumentaram que o alvo principal dos protestos foram os “políticos em geral”. Para 21 por cento, as manifestações eram contra o “sistema político do Brasil” e 15,9 por cento responderam que os protestos foram contra a “presidente da República”.

“Há uma insatisfação geral com os políticos e os governantes”, sentenciou Andrade.

Sobre a atuação de Dilma em relação às manifestações, 24,6 por cento avaliaram como ótima ou boa, enquanto 40,3 por cento consideraram a reação da presidente regular e 30,7 por cento viram como ruim ou péssima.

CORRIDA ELEITORAL

Esses números ajudam a explicar ainda as fortes mudanças no quadro eleitoral para o ano que vem.

Agora, 44,7 por cento afirmaram que não votariam em Dilma em 2014 “de jeito nenhum”. Para Andrade, “a situação dela não é muito boa… pode recuperar um pouco, mas não como era”.

O levantamento anterior mostrava no cenário principal Dilma com 54,2 por cento das intenções de voto, percentual reduzido agora a 33,4 por cento. O seu principal adversário naquele momento era o senador e presidente nacional do PSDB, Aécio Neves, que passou de 17,0 por cento para 15,2 por cento.

Já Marina Silva (sem partido) foi quem deu o maior salto em pontos na pesquisa. A ex-senadora, que teve cerca de 20 milhões de votos na disputa presidencial de 2010, pulou de 12,5 por cento das intenções de voto para 20,7 por cento nesta sondagem.

O governador de Pernambuco e presidente do PSB, Eduardo Campos, também subiu, passando de 3,7 por cento para 7,4 por cento.

Outra mudança importante em relação à pesquisa de junho foi o percentual de eleitores que respondeu que não votaria em nenhum desses candidatos ou anularia o voto, que subiu de 8,4 por cento para 17,9 por cento. Para Andrade isso demonstra “uma rejeição total aos políticos”.

Já a forte subida de Marina ocorre, na avaliação do presidente da CNT, porque “ela é considerada a menos política dos políticos”.

No caso de Aécio, o percentual de pessoas que não votariam nele “de jeito nenhum” é de 36,0 por cento. A rejeição a Campos é de 31,9 por cento e à Marina, 31,5 por cento.

Apesar da queda abrupta no cenário eleitoral desenhado pela pesquisa, Dilma venceria todos os adversários listados no segundo turno: 39,6 por cento a 26,2 por cento contra Aécio; 42,1 por cento a 17,7 por cento contra Campos; e 38,2 por cento a 30,5 por cento contra Marina.

Na avaliação de Andrade, o atual quadro eleitoral mostra que a eleição para presidente do ano que vem “está em aberto”, podendo inclusive abrir espaço para o surgimento de novos nomes, como o do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, que tem dito publicamente não ter interesse em disputar o cargo

Foram entrevistadas 2.002 pessoas entre os dias 7 e 10 de julho, em 134 municípios de 20 Estados das cinco regiões do país.     Fonte

Dilma volta atrás sobre constituinte exclusiva – sites no brasil

Plebiscito deve decidir reforma política – sites no brasil

Dilma irá propor uso dos royalties na educação – sites no brasil

Governo de Dilma Rousseff cria quatro universidades – sites no

Aprovação do governo Dilma registra recorde com 63%

Dilma Rousseff: Manifestações pacíficas são legítimas – sites no

Comente este artigo :

Tags: ,